Viper: Entrevista exclusiva com a banda sobre a volta e o show em São Paulo

O baterista Guilherme Martin e o guitarrista Felipe Machado nos concederam uma entrevista nos contando como foi a volta do Viper com a formação “clássica” para o show do Via Marquês no primeiro dia de julho que deverá ter a casa completamente Sold Out. Esta é uma das primeiras entrevistas de uma das melhores notícias para o Heavy Metal Brasileiro em 2012.
 
1-) Primeiramente obrigado pela entrevista, e realmente nesses últimos dias turbulentos para o metal nacional, a volta do Viper com a formação clássica literalmente mexeu com todas Redes Sociais, e conforme o André disse que apenas foi convidado, como realmente aconteceu a volta nesta formação? como surgiu a idéia desta turnê?
Guilherme – Bem , na verdade me sinto um pouco responsável por esse nosso reencontro, o Viper sempre foi uma banda que sempre me impressionou mesmo antes de ter sido membro, tanto musicalmente e mesmo pela imagem forte e empatia que a banda tinha com os seguidores do Heavy Metal.
Uma ocasião, após alguns anos afastados , me encontrei com o Felipe “on line” e começamos a conversar, e a idéia veio a tona ; nos encontramos pessoalmente e resolvemos realmente por em prática os planos. O André iniciou a carreira no Viper, foi pioneiro como todos nós na banda, e assim como o Viper ,fez uma carreira brilhante como vocalista de outras bandas e como artista solo,” convidar” é meio estranho de se dizer, pois ele sempre deixou saudades sendo ou Vocalista da banda ou também como nosso companheiro e amigo, e sempre muito bem-vindo , é um grande prazer poder dividir os palcos com ele novamente .
A formação conta também com o Hugo Mariutti que está no lugar do Yves Passarell que não pode estar 100% no projeto pois tem uma agenda muito intensa com o Capital Inicial , mas sempre estará presente quando possível .A escolha do Hugo partiu naturalmente, pois além de ser um grande guitarrista, está totalmente linkado com a trajetória de todos na banda.
2-) Gostaria de voltar um pouco ao inicio do Viper, se não me engano o primeiro show de vocês eram duas bandas estreantes, vocês e o Platina ( Banda Original de Ivan e Andria Busic, hoje no Dr. Sin), o que vocÊs lembram daquele show e achavam que seriam o que se tornaram após aquele show?
Felipe Machado – Realmente, o primeiro show do Viper foi no dia 8 de abril de 1985, quando abrimos para a banda Platina, dos irmãos Busic. O repertório era baseado em algumas músicas próprias, que estariam no Soldiers of Sunrise, e covers, como ‘Run to the Hills’, do Iron Maiden’, ‘Power and the Glory’, do Saxon, e ‘Breaking the Law’, do Judas, entre outros. Do Soldiers tocamos ‘Signs of the Night’, ‘HR’, ‘Law of the Sword’… Foi bem divertido, estávamos meio ansiosos mas acabou dando tudo certo. No dia seguinte, 9/4, tocamos de novo e o show foi bem melhor.
Acho que é interessante ressaltar que o público achou tudo muito curioso, afinal a idade média do Viper nessa época era de 13, 14 anos… Imagina ver um monte de pirralhos tocando som pesado, deve ter sido muito engraçado. A gente não tinha ideia do que o Viper ia virar nos anos seguintes, apenas queríamos tocar e nos divertir. As coisas foram acontecendo aos poucos, sem muito planejamento. Tudo muito espontâneo, acho que era a idade…
3-) Muita gente não vivenciou aquela fase do Soldiers of Sunrise ou do Theatre of Fate estará no show, gostaria que vocês falassem sobre aquela época, já que vemos claramente uma grande evolução entre o primeiro e segundo LP do Viper. Como foi essa evolução?
Guilherme -Na época do Soldiers of Sunrise , tudo era feito meio por intuição , poucas bandas gravavam LPs , a maioria apenas figurava em coletâneas como o SP metal dentre outras, o Viper tinha uma sonoridade própria e se destacava na cena heavy metal, fosse pelo instrumental ou pela voz do André, , os integrantes variavam entre 14 e 16 anos, ou seja era tudo uma grande experiência para todos, mas o resultado foi um álbum de que marcou para sempre a história do Metal no Brasil.
Já o Theater of Fate foi um álbum mais projetado, com uma produção diferenciada feita pelo Roy Roland, a banda estava mais madura e já possuia um lugar de destaque na cena do Heavy Metal, este disco tinha um tema conceitual , a inclusão de elementos como teclado e um quarteto de cordas somou com a sonoridade única da banda, bem como as composições do Pit, e assim, como o Soldiers of Sunrrise acabou sendo um marco , criou uma tendência, e continua sendo muito influente, para as bandas que vieram futuramente no mesmo estilo.
4-) Lembro da época, todos assistiam a programas de auditorio que existiam na TV com bandas ao vivo, na TV Cultura e/ou Bandeirantes, todos esperavamos para ver quem participaria da banda para gravar em video cassete, pois no interior na época era o único meio de conhecer as grandes bandas nacionais, Como o Viper ve a diferença da cena daquela época e de hoje em dia?
Guilherme-Nossa eu também morava no interior nessa época e fazia a mesma coisa!Era muito legal assistir as bandas de heavy nacionais nestes programas! Fizemos vários , Metrópoles na cultura, Matéria Prima com o Serginho Groismann, todos eram programas que abriam as portas para este estilo de música mais independente, e realmente isto fazia a diferença, mas eram muito poucas as opções de divulgação principalmente na TV. Nos anos 90 com a MTV muita coisa mudou , mas a este ponto a cena de Heavy Metal já era muito mais diversa , aquela expectativa das bandas aparecerem talvez em algum programa já era menor pois todos tinham oportunidade de ver um Video Clipe na MTV.
Hoje em dia, a velocidade de se promover uma banda, é sem dúvida inúmeras vezes maior do que na época em que os dois primeiros álbuns do Viper foram lançados, mas com certeza esta tecnologia torna-se uma forte aliada e facilita a divulgação em uma gama diversa de possibilidades .
5-) Voltando a Turnê e ao show em específico, embora esteja claro que tocarão os dois primeiros albuns na integra, mas como farão com as musicas, Coma Rage, Evolution, Rebel Maniac? Qual surpresa teremos nestes shows?
Guilherme-Surpresas ……………..estamos planejando algumas bem interessantes, estamos em estúdio ensaiando muito,  e escolhendo o que incluir a mas no repertório que contará inicialmente com as músicas do Soldiers e do Theater na íntegra, mas com certeza , a galera poderá contar com algumas Surpresas inusitadas em nosso SET.
6-) Evidente que todos estão querendo um registro da turnê, CD e DVD, estão no plano de vocês?
Guilherme-Nosso principal objetivo e foco neste momento são estes Shows que marcam o ínicio de uma tourneé do Viper, temos muitos planos para o futuro, mas estamos deixando tudo fluir naturalmente, já está sendo feito um registro de tudo o que temos feito dês de ensaios e apresentações o que futuramente pode até ser lançado .
7-) A pergunta mais importante, quando começa a venda dos ingressos?
Guilherme – A venda dos ingressos já começou e já foi anunciada. Os ingressos para o show de São Paulo no Via Marqu~es estão sendo vendidos pelo site da Ticket Brasil (www.ticketbrasil.com.br) e alguns setores já estão esgotados, tem que correr para conseguir comprar com preço promocional
8-) Deixamos livre para todos enviarem as mensagens a seus fãs…
Guilherme -Para todos os Fãs de Viper: Acredito que os maiores responáveis por esta reunião, são vocês, que sempre nos acompanharam, apoiaram , e mantiveram o nome de uma das maiores bandas de Metal do Brasil sempre Vivo!
Nossa vontade de tocar juntos depois destes anos , é muito grande, e com certeza faremos estes shows a altura deste acontecimento.
Obrigado a todos.
GUILHERME MARTIN, FELIPE MACHADO,ANDRÉ MATTOS, PIT PASSARELL,HUGO MARIUTTI & YVES PASSARELL

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 1925 artigos para a Ilha do Metal.