Steve Vai @ Tom Brasil – São Paulo/SP (04/06/2017)

Um gênio tocando uma obra prima.

Passion and Warfare, lançado em setembro de 1990, foi um disco que marcou históia dentro do Heavy Metal, pos nessa época se repararem muitas bandas faziam alguma faixas instrumentais para seus então LP’s , como temos nos discos do Metallica, Def Leppard, Iron Maiden, Scorpions, entre outros, mas uma geração de guitarristas mais técnicos já tinham lançado alguns álbuns, como Tony Macalpine, Vinnie Moore, hoje no U.F.O., Joey Tafolla, o Cacophony, que tinha o brilhante Jason Becker e Marty Friedman,  porém foi quando surgiu Steve Vai Joe Satriani, que a música pesada e instrumental ganhou outros holofotes, chegando as paradas de todo o mundo e não apenas daqueles aficionados por instrumentos, ou de se tocar com rapidez, era tudo o que se sonhava.

Álbum de Fotos: Click Aqui

Texto/Fotos: Geane S. Borges/ Marcos Almeid “Bullino.Inc”

Outro destaque são a participação de alguns monstros da música como, Stuart Hamm , baixo, David Coverdale , Vocais em For the Love of God, Rudy Sarzo , backing vocals, Adrian Vandenberg , backing vocals e o tempo de gravação, já que esse disco ficou ” na gaveta enquanto esteve na banda de David Lee Roth,e pode terminá-lo e colocar no mercado via Capitol Records enquanto excursionava com o Whitesnake na formação de 1990 , onde em Donnington, quase um mês antes do lançamento, quando a Cobra Branca foi o headliner, executou “For the Love of God” e “The Audience is Listening“.

Desde que Steve vai começou essa excursão a ansieda para tocar em terras brasileiras era gigantesca, e a data não poderia ter sido mais expecial, um dia depois do Samsung Blues Festival, onde para muitos foi em um filme de Blues, A encruzilhada, de 1986, onde Vai no filme é o guitarrista do tinhoso, que muitos o conheceram, e a uma cena deste filme, começa o show, onde ja todo o Tom Brasil já o aplaudia e o referenciava.

Vai entra no escuro com sua guitarra iluminada, com seus óculos e roupa que chamamos de “futurista” e começa com “Bad horsie”, e ali já começava a aula das seis cordas, e quando o vemos tocando, solando com caras e bocas, temos a sensação que aquilo é super fácil, tudo bem que para Steve Vai deve ser, mas ele levou a música pesada instrumental a um outro nível, com solos intercalados com Riffs, que possuem quebra de ritmo e tudo mais, e assim também foi as próximas três músicas “The crying game”, “Gravity storm” e “Tender surrende”.

Neste moemnto sim, com todo seu carisma, brincou com a platéia e apresenta a banda e ali começa, a comemoração do clássico Passion and Wafare, onde tocaria todas as músicas na ordem, começando obvio pela primeira “Liberty“.

O show teve algumas participações especiais, como em “Answers” com seu primeiro professor e amigo,  Joe Satriani, que tocou junto com o músico através do telão, usando várias mascaras, sendo muito engraçado, através de uma base gravada em vídeo.

As músicas “For the Love of God“, onde no telão aparecia o vídeo de Vai tocando com um índio apache, cercado por desastres da humanidade, como se a música fosse um pedido de socorro a nosso planeta, e até hoje  com mais de 25 anos depois ainda precisamos pedir por essa ajuda,   e “The Audience is Listening” claro que por serem mais conhecidas, teve uma resposta a mais da platéia ainda mais quando aparecia no telão a imagem do guitarrista do Dream Theater John Petrucci executando junto parte do solo assim como foi com Satriani.

Se no festival de Blues, tivemos uma aula de feelling tão em falta em músicos hoje em dia, em Steve Vai  sobrava e o melhor ele não sabe dar uma nota, sem brincar com o público, faer uma careta, ou estar junto aos seus músicos, ele concentra todos os olhares no show, mesmo que deixe espaço para sua banda, ele hipnotiza e claro seu talento hipnotiza a todos.

Steve Vai tocou um tempo com Frank Zappa, e claro que homenageou o amigo com um cover, “Stevie’s spanking” onde o ídolo era mostrado sempre no telão e finalizou o show com “Racing the world“.

Tecnicamente é um monstro, um dos poucos que consegue tudo de qualquer jeito, não se prendendo a nada, varia muito bem do blues, passando pelo Jazz e deixando sua marca no Rock, tendo influenciado uma multidão quase infinita de guitarristas de todos os estilos, e faz um show fenomenal totalmente instrumental, sem ser por um segundo monótono, que mebora muitos da platéia fosse músicos, a maioria não era e se admirava Steve Vai, hoje ainda o faz com muito mais.

Setlist 

  1. Bad horsie
  2. The crying game
  3. Gravity storm
  4. Tender surrender
  5. Liberty
  6. Erotic nightmares
  7. The animal
  8. Answers
  9. The riddle
  10. Ballerina 12/24
  11. For the love of God
  12. The audience is listening
  13. I would love to
  14. Blue Powder
  15. Greasy kid´s stuff
  16. Alien water kiss
  17. Sisters
  18. Love Secrets
  19. Stevie´s spanking
  20. Racing the world

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Apoio Cultural:

T4F – SOLID ROCK FESTIVAL

SOLID ROCK – DEEP PURPLE, LYNYRD SKYNYRD E TESLA
Cerveja Oficial: Heineken
Realização: TIME FOR FUN

CURITIBA (PR) – Pedreira Paulo Leminski

Data: Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
Ingressos: de R$ 145 a R$ 660 (ver tabela completa)
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Retirada na bilheteria e E-ticket – taxas de conveniência e de entrega.

Pontos de venda no link: http://premier.ticketsforfun.com.br/shows/show.aspx?sh=pdv

SÃO PAULO (SP) – Allianz Park

Data: Quarta-feira, 13 de dezembro de 2017
Ingressos: De R$ 130 a R$ 580 (ver tabela completa)
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Retirada na bilheteria e E-ticket – taxas de conveniência e de entrega.

RIO DE JANEIRO (RJ) – Jeunesse Arena
Data: Sexta-feira, 15 de dezembro de 2017.
Ingressos: de R$ 125 a R$ 650 (ver tabela completa)
Pela Internet: www.ticketsforfun.com.br
Retirada na bilheteria e E-ticket – taxas de conveniência e de entrega.

Banda(s) / Artista(s):

Tags: Steve Vai

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 1871 artigos para a Ilha do Metal.