Xandria @ Blackmore Rock Bar – São Paulo/SP (05/05/13)

No último dia 05 de maio, o Blackmore Rock Bar, em São Paulo, recebeu a apresentação da banda alemã Xandria em sua segunda passagem por solo brasileiro, desta vez promovendo o álbum “Neverworld’s End”, de 2012 e também estreando por aqui sua nova vocalista, a bela Manuela Kraller. Depois de cinco álbuns de estúdio e agora em sua terceira vocalista, era hora de ver se finalmente a banda caminha para estabilizar sua frontwoman, principalmente após a saída da vocalista Lisa Middelhauve.

Texto: José Antonio Alves
Fotos: Marcos Cesar

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A GALERIA DE FOTOS NO FACEBOOK

Dentro do Blackmore os fãs já aguardavam o início da apresentação, ao som de uma discotecagem bem eficiente que serviu para aquecer bem o público. Enquanto isso, a banda, na parte dos camarotes do local em alguns momentos aparecia para saudar os presentes, que vibravam com as aparições. E com muita pontualidade e para um Blackmore que se não estava lotado por completo, ficou bem preenchido, um a um os integrantes surgem no palco, com a aparição final da vocalista Manuela Kraller para iniciar a apresentação.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_1

“A Prophecy Of Worlds To Fall” é a primeira, e logo o local é tomado por vários “uooooooo’s” do público que teve uma participação incrível logo de cara. Comentando sobre o quão bom é estar em São Paulo, Manuela pergunta ao público se eles estavam prontos para agitar com a banda naquela noite, e com uma resposta mais que positiva emendam “Valentine”, do último disco, “Neverworld’s End”, uma canção bem operística que encaixa muito bem ao vivo.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_2

Antes de “Firestorm”, a banda pede auxílio ao público para repetir de forma intensa o trecho da música que diz “I Wiill Burn You”, e ensaiados pela vocalista Manuela, não decepciona na hora da execução da música. Seguindo com mais faixas do último trabalho do grupo, “Blood On My Hands” e “Forevermore” deram sequencia na apresentação, com participação bem ativa do público.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_3

Antes de mandar “Euphoria”, Manuela explica que em todos os países em que a banda passa naquela parte do show ela normalmente fala algo no idioma do país em questão. Mas no Brasil seria diferente, tal tarefa ficaria a cargo do guitarrista Philip Restemeier, que por ter morado durante um ano em nosso país conseguiu falar e bem com o público, afirmando que aquilo era um domingo em São Paulo!Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_4

Como forma de trazer um pouco da língua alemã para os presentes, Manuela tratou de ensinar algumas palavras no idioma, mais especificamente a expressão “Wir lieben Xandria”, ou traduzindo, “Nós Amamos Xandria”, e claro que mesmo com algumas interrogações do público sobre o real significado da frase, repetiu o proferido e curtiram a próxima, “Salomé”, do álbum “Salomé – The Seventh Veil”, de 2007.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_5

Seguindo com “Cursed” e “The Dream is Still Alive”, o que se nota é uma banda bem entrosada e com presença de palco animal!  Marco Heubaum (guitarra), Philip Restemeier(guitarra), o carismático Steven Wussow (baixo) e Gerit Lamm (bateria) interagem, chamam o público e mostram muita competência em seus instrumentos.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_6

Mas e a já citada Manuela Kraller? A moça não destoa quando consideramos a presença em palco, consegue cativar o público na apresentação, e demonstra muito carisma e simpatia. O que a prejudicou na apresentação foram alguns problemas técnicos que faziam com que sua voz em alguns momentos soasse bem mais baixa que o normal, e logo em seguida subisse de forma até exagerada em certos pontos.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_7

Mesmo com esse porém, foi possível banguear ao som de “Soulcrusher”, uma das melhores da apresentação, que abriu caminho para as duas últimas do set regular, “Now & Forever” do álbum “India” de 2005 e “The Lost Elysion”, do último disco. Para o bis, a banda toda sai de cena, pouco tempo depois só Manuela volta, e pede para que o público convoque os outros músicos para mais músicas.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_8

E assim aconteceu. Depois de “India”, e dos agradecimentos pela incrível noite, “Ravenheart” encerrou a apresentação, com o público vibrando e cantando com fervor. Uma apresentação enérgica que poderia ser ainda mais incrementada se algumas faixas do primeiro disco da banda, “Kill The Sun”, fossem acrescentadas, mas de qualquer forma a banda mostrou que sabe como empolgar um público, driblando os problemas técnicos e trazendo uma apresentação que animou quem esteve por lá.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_9

Depois do show, a banda demonstrou toda sua simpatia atendendo os fãs e os brindando com fotos e autógrafos, deixando-os na expectativa para mais shows em solo brasileiro em um futuro bem próximo. E sobre o comentário de início, sim, a banda pode conseguir novamente estabilizar sua vocalista, pois se depender de talento, simpatia e carisma, Manuela pode estar em muitos álbuns daqui para frente.Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_10

Setlist:

A Prophecy Of Worlds To Fall
Valentine
The End Of Every Story
Firestorm
Blood On My Hands
Forevermore
Euphoria
Salomé
Save My Life
Cursed
The Dream Is Still Alive
Soulcrusher
Now & Forever
The Lost Elysion

Encore:

India
Ravenheart

Agradecimentos: Fernando R. Junior (Rock On Stage pelas fotos)

Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_11Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_12Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_13Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_14Xandria_Blackmore_Rock_Bar_by_bullino_A-Ilha-Do-Metal_15