Sodom @ Carioca Club – São Paulo/SP (07/04)

LENDA GERMÂNICA DE UMA AULA DE THRASH METAL, CARISMA E RESPEITO!

Fotos: Steffani Waitemann

Desde a sua última passagem pelo Brasil em 2008, o Sodom demonstrou, mais do que nunca, que ama tocar em terras brasileiras e não fez corpo mole no Carioca Club, no último dia 07 de abril.

Devido a um atraso nas linhas de trem, não pude conferir o show da banda Machinage, que atualmente está promovendo o seu primeiro álbum It Make Us Hate – 2011 e possui uma bagagem de shows com Korzus, Torture Squad e outros nomes fortes da cena brasileira.

Entretanto, conversei com alguns colegas de trabalho e o resultado foi bem positivo: uma banda com boa presença de palco, músicas empolgantes e o grande destaque foi a música Next Victim, que contou com a participação especial do guitarrista Antonio Araújo (Korzus), essa que fez o público ovacionar a banda demais após o seu término! O set completo foi: Revolution, Envy, In This the Way?, Anguish, Mack Behind Some Lies, Next Victim e Tides of War, essa com direito a um grande circle pit. O Machinage mostrou uma grande maturidade e cumpriu sua missão com êxito. A banda seguinte a se apresentar foi o Red Front, esses que já “puxaram” uma boa parte do público lá de fora para assistir sua apresentação. A banda promove seu primeiro e excelente álbum Memories of War (2010), foi finalista no Wacken Metal Batle e cresce a cada dia na cena, devido a sua forte presença de palco, criatividade em agradar os fãs e ótima divulgação, apesar de independente. O set iniciou-se com Intituctions Down, que levou todos ali presentes a berraram o refrão com o vocalista Léo. A banda não quis nem respirar e na sequência vieram Just a Game e Devil’s Soon. O cover de Territory (Sepultura) fez todos os presentes se unirem em uma única voz, cantando cada palavra e lembrando a melhor fase, da maior banda brasileira de todos os tempos.

Como não poderia deixar passar, com um boneco “emo” em mãos, o guitarrista Oscar relata que atualmente a mídia diz que o Rock é colorido e isso é demonstrado com um coração, feito com as mãos. Porém, para eles e todos os verdadeiros headbangers o Rock possui o símbolo do coração invertido. Faça e veja qual é o resultado… E com isso o vocalista Léo puxa o coro e anuncia a tradicional Killer, dizendo que o boneco deve ser destruído durante a execução dessa música. O resultado não podia ser melhor: destruição total! Assim que a música inicia, o boneco é arremessado e uma enorme roda extremamente violenta se abre, martelando a lápide do boneco. E para quem achou que o show havia acabado, o Red Front ainda preparou sua cartada final: Circle of Hate, faixa que fizeram um vídeo clipe e gera rodas imensas! O guitarrista Oscar se responsabilizou por organizar a tão famosa Wall of Death. Desceu do palco e tocou a faixa junto com o público. A galera foi ao delírio com tamanha atitude e aplaudiu essa grande apresentação dessa grande promessa do metal nacional.

A hora finalmente chegara. A ansiedade em ver os mestres do thrash metal alemão já dominava o Carioca Club. E eis que, após uma pequena intro, surgem Bernemann (guitarra), Makka (bateria) – que entrou para a banda em 2010 – e o “mestre-frontman” Tom Angelripper (baixo e vocal), os gritos que ovacionavam a banda quase encobriam o som alto e muito bem equalizado da casa. In War and Pieces iniciou o set com um refrão maravilhoso e tudo se tornou uma enorme celebração thrash, com um circle pit gigante e casa lotada!
A sequência do set list foi matadora: Sodomy and Lust, M-16 e Outbreak of Evil. Como é possível descrever essas três músicas ? São clássicos absolutos do thrash metal, músicas que todo ser humano precisa um dia ouvir e agitar como um louco. Os aplausos mal cessaram e inicia-se o primeiro cover da noite: Surfin Bird, da banda Trashmen. Muito bem executado e esta versão é infinitamente melhor que a original (chata e sem graça!).Muitos pensam que essa música é do Ramones, porém originalmente ela é da banda citada.
Tom Angelripper agradece a presença de todos e diz que o Brasil é o melhor país para se tocar. O resultado não poderia ser outro: berros e berros dizendo o nome da banda! The Saw is the Law continua o set com a mesma energia e a todo momento o guitarrista Bernemann demonstrava o quanto estava satisfeito com o público, posando para fotos, pedindo para o público agitar mais e mais!

O segundo cover da noite foi Iron Fist (Motorhead), muito bem executada e na voz de Tom ficou perfeita! The Vice of Killing do álbum Code Red (1990) foi uma surpresa, a banda ficou algum tempo sem executar nenhuma música deste álbum e felizmente retornou a inclusão destas músicas no set. A próxima música de divulgação do último álbum foi The Art of Killing Poetry e caiu como um tiro, tamanho peso da guitarra e bateria feroz.
O baterista Makka merece respeito total dos fãs, pois executa fielmente cada música e acrescentou uma energia nova, que modificou a estrutura da banda em palco e só merece elogios. Tom novamente agradece e a todo momento levantava camisetas que o público jogava no palco.

Dando continuidade ao set, City of God do álbum Sodom (2006) foi muito bem recebida, com ótimos riffs e a voz eletrizante de Tom não parecia nem um pouco cansada! Os fãs mais antigos da banda ouviram o chamado… Um gigantesco berro de Blasphemer os convocava para um dos maiores clássicos da banda! Essa foi a música mais empolgante do set inteiro e isso já era esperado, uma vez que a grande maioria dos fãs estavam com a camiseta do EP In the Sign of Evil (1984).

Angelripper retirou sua camiseta para a última e matadora sequência: Eat Me!, Ausgebombt, Agent Orange e Remember The Fallen. A essa altura a casa já estava com um calor muito grande, mas ninguém parava de agitar um só minuto! A banda correspondia à altura, parecia estar iniciando seu set, e continua chamando o público para cantar refrões, sempre com muito carisma e respeito.

A banda fez uma pausa, mas não podia se despedir sem voltar para o bis e em poucos minutos retornou para a sua última execução matadora: Sodomized, do álbum Get What You Deserve (1994), outro clássico! A banda se despediu, posou para as últimas fotos e agradeceu o público que os ovacionava sem parar. Todos os comentários “pós-show” que ouvi eram os mesmos: que banda maravilhosa, que show excelente, o som estava ótimo! De fato, a escolha do Carioca Club agrada demais o público, tendo em vista que o último show da banda no Brasil em 2008 foi no Hangar 110, e a capacidade de público e som nem se comparam.

Uma aula de thrash metal, respeito e carisma. Esperaremos por próximas turnês a cada ano, pois um show como esse só pode ser classificado como MEMORÁVEL!



Setlist Machinage

Revolution
Envy
Is This The Way?
Anguish
Mack Behind Some Lies
Next Victim (Participação Antonio Araujo)
Tides Of War

Setlist Red Front

Institution is Down
Just a Game
Devil’s son
Territory (cover Sepultura)
Killer (com o boneco Restart)
Circle of Hate

Setlist Sodom

In War and Pieces
Sodomy and Lust
M-16
Outbreak of Evil
The Bird is The Word – Trashmen cover
The Saw Is the Law
Iron Fist – Motörhead Cover
The Vice of Killing
The Art of Killing Poetry
City of God
Blasphemer
Eat Me!
Ausgebombt
Agent Orange
Remember the Fallen
Sodomized

Galeria de fotos:

Banda(s) / Artista(s):

Tags: sodom carioca

Comentários:

Sobre o autor:

Jesley Slaytanic:
23 anos, "Thrasher", Colecionador, apaixonado pela banda Slayer, filmes de terror e artigos sobre guerra. Possui uma loja virtual chamada ICE TITAN STORE (www.icetitanstore.com.br).Pesquisador sobre a melhor vertente do metal: Thrash metal! Trabalhou na redação da Revista Rock Brigade e pretende expandir suas pesquisas a um livro. Meu twitter: @Jeslaytanic

já escreveu 101 artigos para a Ilha do Metal.