Slayer @ Master Hall Curitiba/PR

Resenha: Fábio Gaio (Padre Fábio).
Fotos: Fábio Fistarol.

Em uma típica noite fria de quarta feira, Curitiba foi palco do primeiro show no Brasil da turnê “World Painted Blood”, que ainda passaria por São Paulo no dia 09/06/2011. A casa de shows abriu os portões com uma boa antecedência, evitando assim as já tradicionais filas quilométricas que encontramos a cada evento deste porte e, uma vez dentro do recinto, bastava esperar o show, programado para começar às 21:00h.

Sem contar com banda de abertura, a pontualidade foi cumprida a risca e, assim que as luzes se apagaram, começou a introdução de World Painted Blood, música essa que teve uma excelente resposta do público presente, nos dando uma idéia da intensidade que seria o show. A sequência foi dada com Hate Worldwide, mantendo o pique inicial dos presentes, e a continuidade veio com os primeiros acordes de War Ensemble, primeiro grande clássico apresentado pelo grupo norte-americano, não deixando uma única pessoa sem cantar a plenos pulmões este petardo. A partir daí foi uma seqüência de clássicos, hora intercalada com músicas mais recentes, mas que cumprem muito bem a missão de manter o público animado.

Após executar parte do set, Tom Araya anuncia, declamando a frase “Dance with the dead in my dreams, Listen to their hallowed screams”, mais uma música indispensável, e começa os acordes de Dead Skin Mask, onde os presentes puderam observar um entrosamento ímpar entre os guitarristas Kerry King e Gary Holt (guitarrista do Exodus que está substituindo, temporariamente, Jeff Hanneman nos shows devido a problemas de saúde). Após a execução de Ghosts Of War, o público já demonstrava certo cansaço, mas que logo seria deixado de lado, pois Seasons In The Abyss estava começando, tendo na seqüência a poderosa Snuff fechando a primeira parte do show.

Intervalo extremamente rápido para os músicos recomporem as energias, e o bis traz uma seqüência matadora, iniciada por South Of Heaven, e que teve ainda Raining Blood, Black Magic e fechando o show com chave de ouro, a fenomenal Angel Of Death.

Alguns pontos positivos desse show devem ser destacados, tal como a simpatia e a aparente satisfação dos integrantes de estarem diante de um público que respondeu de forma satisfatória a cada uma das músicas apresentadas no set. Aliás, parabéns ao público curitibano (assim como aos demais presentes que se deslocaram de outras cidades para ver o show), já que havia tempos que não presenciava uma receptividade tão intensa em um show. Ponto positivo também para Gary Holt, que assumiu a responsabilidade de substituir Jeff Hanneman, que faz uma das duplas de guitarras mais marcantes de todos os tempos do heavy metal, junto com Kerry King, e não desapontou em nenhum momento do show. Dave Lombardo é um caso à parte, pois tudo que já foi dito de um dos melhores bateristas do mundo pode ser comprovado ao vivo, já que sua técnica e habilidade se destacam durante a apresentação. Tom Araya mostrou que ainda tem potência e fôlego em sua voz e, apesar de não agitar mais a cabeça como Kerry King, sabe como um frontman deve se comportar.

Para quem esteve presente, uma noite que não será esquecida tão cedo, e aos que não puderam ter a chance de presenciar o show, é torcer para que os mestres voltem em breve para o Brasil e, quem sabe, abrangendo mais cidades.

Setlist:
1. World Painted Blood
2. Hate Worldwide
3. War Ensemble
4. Postmortem
5. Temptation
6. Dittohead
7. Stain Of Mind
8. Disciple
9. Bloodline
10. Dead Skin Mask
11. Hallowed Point
12. The Antichrist
13. Mandatory Suicide
14. Chemical Warfare
15. Ghosts Of War
16. Seasons In The Abyss
17. Snuff
Bis:
18. South Of Heaven
19. Raining Blood
20. Black Magic
21. Angel Of Death

Veja mais fotos do show acessando: Fabio Fistarol – Show Slayer – Curitiba.