Rick Wakeman @ Teatro Bradesco (21/11/2012)

 Novembro 2012 decididamente, podemos chamar o mês das lendas, Robert Plant, Jack Bruce, Cavalera Conspiracy (Por que não?), Kiss e na sequência o mestre dos teclados Rick Wakeman voltou a capital paulista, depois de 11 anos, em sua quinta passagem pelo nosso país no Teatro Bradesco, porém com shows anteriores em nova Hamburgo e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul e dois concertos no mesmo dia sendo o primeiro as 21 horas e esse que acompanhamos as 23 horas ambos com ingressos esgotados.

A banda que o acompanha é a English Rock Ensemble, composta por Tony Fernandez bateria, , Nick Beggs no baixo, Ashley Holt vocalista, sendo ele o dono da a voz de todos os seus álbuns mais marcantes e de sucesso comercial e Dave Colquhoun na guitarra). O interessante de citar antes do show propriamente dito foi o encontro do pessoal que saia do concerto alguns avisando de como seria o show e que veríamos um show com os músicos cansados, outros elogiando o espetáculo e todos que saiam tinha um sorriso no rosto enorme e quem entrava um semblante de ansiedade. Muitas camisas de bandas progressivas e Classic Rock e algumas do Edguy e Dream Theater fizeram parte do público de ambos os concertos.

Como se trata de um teatro, existem avisos sonoros do tempo que o espetáculo irá iniciar e um a um os músicos vão entrando no palco, sendo o último e claro que ovacionado, rick Wakeman, com sua famosa capa, que dá um charme especial ao vermos o músico tocando, e então o show se iniciacom um medley do seu álbum Journey to the Centre of the Earth, explendido, ele passeia pela viagem que é este álbum com míni solos e Rick Wakeman solando em sua montanha de teclado, que deveria ter uns nove sobre postos e com extrema habilidade e improvisação que o Rock Progressivo pede, algo que só alguns gênios conseguem e lá sobre o palco do Teatro Bradesco estava o segundo gênio no mesmo mês.

A segunda música é “Catherine Howard”, do álbum “The Six Wives of Henry VIII”, apresentada pelo próprio com Rick Wakeman com ele se desculpando por não falar português e lembra também que seu Inglês não é muito bom, porém que execução perfeita, com os músicos claramente estando felizes em ver duas platéias completamente lotadas em um meio de semana para prestigiar seu trabalho realmente deve deixá-los bem a vontade.

A faixa seguinte “The Visit”, do “Phantom Power”, com as partes gravadas para o filme original da década de 20 do Fantasma da Ópera, sendo por lembrar do filme uma versão bastante pesada com o guitarrista e o baixista fazendo em uníssono a segunda voz da música, dando um peso adicional a mesma, Maravilhoso.


Chega a vez de “Myhths and Legends of King Arthur and the Nights of the Round table”. Onde em novo medley ele passa por Arthur, Guinevere (que não era executada ao vivo há muitos anos), Lancelot and the Black Night e The Last Battle. Ashley Holt faz toda a diferença,pois sem ter uma presença marcante no vocal como Jon Anderson por exemplo, a execução vocal merece um destaque especial pois executou de maneira muito parecida com a original mesmo as músicas que não executou. Primoroso e destaque a ser lembrado.

O baterista Anthony Fernandez tocou de maneira bem jazzística nos shows, variando muito, porém com um “peso” sempre mantendo o ritmo e precisção que o tempo pedia. O novo integrante da banda de Wakeman Nick Beggs, que já tínhamos visto em performance no Brasil no show de Steven Wilson, foi o destaque do show, tirando Rick Wakeman lógico, com solo arrebator no show, conseguiu mostrar toda sua técnica, Dave Colquhoun um excelente guitarrista que acompanha Rick Wakeman e gravou o clássico live in Buenos aires em 2001.

Voltando ao show, “Music Reincarnate”, do “No Earthly Connection”. Foi mais uma versão extremamente similar ao álbum gravado numa levada densa e viajante, seguida poor “Catherine Parr”,Rick Wakeman mostra por que é a lenda dos teclados, aqui tivemos os solos de órgão Hammond e no moog. A banda acompanha tudo com bastante velocidade e precisão, aumentando e diminuindo a velocidade de acordo com o guia e magestral Rick Waleman.

O show volta para o álbum do Rei Arthur, desta vez com Merlin, o momento quando Rick Wakeman pega seu teclado portátil, toca alguns minutos no palco e vai para o meio da plateia guiado pelos seguranças fazendo seu solo, sendo ovacionado por onde caminhava, e ao final perto do palco,escolhe uma pessoa, para ser sua assistente e segurar o teclado enquanto ele termina o solo no palco terminando de maneira. Vale destacar que essa versão de Merlin conta com uma letra e consequentemente vocais desde 1993, quando Rick Wakeman a eternizou no álbum “Classic Tracks”. Finalizando de maneira esplendorosa a primeira parte desta apresentação

Para o bis , veio uma surpresa Starship Trooper, do Yes. Originalmente de 1971 porém rick Wakeman não era membro da banda, é apresentada em uma releitura feita no álbum Fields of Green, de 1997, com mais solos maravilhosos deste virtuose dos teclados que num instrumento nunca relacionado ao Rock, faz um progressivo, com quebras de rtmos que faz uma viagem de 2 horas de Espetáculo soar segundas na vida de qualquer fã;

Duas apresentações de 2 horas no mesmo dia, sinais de cansaço, claro que a banda mostrou, porém o sorriso e a energia que a banda transmitiu em todos os momentos do show soa espetacular. Uma celebração e com público lotado em ambas apresentações mostra a qualidade que um público exige que esse ícone do Rock mundial sabe dar a seus fãs e curiosos que vão em seus espetaculos. Simplesmente Fantástico.

Set List

1. Journey
2. Catherine Howard
3. Visit / Phantom
4. King Arthur
5. Realisation / Space man
6. Catherine Parr
7. Merlin

Encore
8. Starship Tropper

Agradecimentos: Michele Menegatti e ao Teatro Bradesco .

 Confira nosso álbum no Facebook