Richie Kotzen 24/04 – Live @Blackmore – São Paulo

Foto: Bruno Bergamini

24 de abril de 2010, dia dos shows do Megadeth, da Ivete e do Richie Kotzen em São Paulo. Fui conferir o show do Kotzen que aconteceu no Blackmore, a data foi adicionada depois do anúncio da turnê por causa da grande procura por ingressos. Nos shows atuais o músico vem divulgando seu último disco lançado ano passado chamado Peace Sign.
As portas da casa abriram por volta das 22hrs e aos poucos as pessoas foram enchendo o lugar que comportou bem o público. O show começou por volta de 00:45 com a música Socialite do cultuado Mother Heads Family Reunion e foi logo nela que Richie começou a mostrar toda sua habilidade, a música que na gravação original tem cerca de três minutos e ao vivo durou uns dez por causa das improvisações que fazem do show dele algo fora do comum. Se engana quem pensa que solos e improvisações são um porre, Richie mostra um feeling incrível e não deixa o show ficar chato em momento algum.

Foto: Ana C. de Lima

O show seguiu com Losing My Mind, A Love Divine e Fooled Again até então com o músico calado. A calma Faith que teve o refrão cantado por todos fez os ânimos se acalmarem, So Cold veio logo em seguida e para o delírio dos espectadores, Doin’ What The Devil Says to Do foi tocada, a música faz parte do melhor disco dele, o Into The Black de 2006. Com todos cantando o músico começou a se animar e se soltar um pouco mais. Ao final da música Richie diz que gravou um novo disco e que ele podia ser adquirido na banquinha no lado oposto da casa tocando logo em seguida a música de mesmo nome do disco: Peace Sign. Surpreendentemente, essa foi a única música do disco novo a ser tocada, acho que isso se deve ao fato da cidade de São Paulo receber dois shows e para não se repetir ele tirou três músicas do CD novo que vinha tocando e colocou outras mais antigas.

Termina Peace Sign, a banda se retira do palco, poucos minutos depois todos voltam para o bis que começou com Stand que foi dedicada a Bret Michaels (vocalista do Poison que está internado na UTI por causa de uma hemorragia cerebral). Remember e All Along the Watchtower vieram em seguida, nos momentos finais de All Long, Richie fez sinal com a mão perguntando para a platéia: Acabou ou mais uma? A resposta, claro, foi para tocar mais uma música e atendendo a pedidos Shine veio para supostamente terminar o show.

Foto: Ana C. de Lima

A música chegou ao fim, a banda se despede, algumas pessoas começam a se movimentar para a saída enquanto outras ficaram gritando KOTZEN, KOTZEN e para surpresa de todos, ele volta para mais duas músicas: Best of Times e a mais pedida da noite You Can’t Save Me que encerraria o show com chave de ouro. Só esse momento já teria sido especial para muitos, mas a noite ainda reservava surpresas. A banda mal tinha se retirado do palco pela terceira vez e o púbico voltou a gritar, só que dessa vez o grito foi de ONE MORE SONG (mais uma música) e o inesperado acontece os três excelentes músicos voltam ao palco para dessa vez tocar a última do dia: Sarah Smile.

Em minha opinião, Richie Kotzen é um dos melhores guitarristas vivos e um grande cantor que está em constante evolução, em boa parte do show ele tocou sem palheta surpreendendo a algumas pessoas e deixando outras admiradas com sua habilidade. Se tiver a oportunidade assista a um show dele porque é uma experiência única!
Cerca de quarenta minutos após o final do show do Kotzen a banda Hey Ladies entrou no palco para tocar covers diversos, pena que apenas umas 30 pessoas ficaram no Blackmore para vê-las, quem não viu perdeu uma grande performance. Destaque para a vocalista e a guitarrista que possuem uma PUTA presença de palco.

Foto: Bruno Bergamini