Plebe Rude @ Sesc Belenzinho – São Paulo/SP

Sexta feira, depois de uma semana cansativa no serviço porque não assistir um Show de Rock para começar o fim de semana numa casa que particularmente gosto muito, e rever uma das bandas mais importantes do bom do Rock de Brasilia que ocorreu nos anos 80, quando a Plebe Rude lançou o estupendo “O Concreto ja Rachou”.

Da formação inicial hoje temos apenas o baixista e fundador da Banda Andre X no Baixo e Philippe Seabra na Guitarra e Vocal, completam ainda a formação, Clemente (Inocentes) na guitarra e vocais, e o novo baterista na qual me fugiu o nome do mesmo. Embora não seja a formação inicial ou “clássica”, como dizem alguns, a presença de André e Phillipe realmente se destacam e Clemente, além do novo batera caíram muito bem na banda, embora Clemente, que já faz parte da banda há um bom tempo é da Plebe sim senhores.

Agendados dois dias de shows, ambos com casa lotada e já sem ingressos a venda há algum tempo, preferi assistir no primeiro dia e realmente a banda me surpreendeu mais uma vez. Esse é o segundo show deles que assisto esse ano, sendo o primeiro na Virada Cultural, que já tinha sido bom, esse foi ainda muito melhor.

A Plebe se orgulha de em toda sua carreira jamais ter feito uma música romântica, ou mela cueca, como queiram, e sempre levar em suas letras temas políticos que retratam o Brasil .O show de quase duas horas pareceu durar quinze minutos de tão bom e intenso, é um sucesso atrás de outro, sem frescura alguma, com uma excelente comunicação com o público, e muitas vezes brincando com o clichês das bandas de rock de hoje, os chamados punks de condominio, com frases do tipo “vamo fazer barulho aêeeee”, ou com o movimento das mâos que fizeram alguns momentos sensacionais.

O lance mais incrível do Show foi na música Proteção onde o Phillipe Seabra literalmente desceu do palco e a cantou no meio do público enquanto caminhava e tirava fotos com o público, e junto com proteção fizeram um pout porri com patria amada, sucesso dos Inocentes, e geração coca cola da Legião Urbana.

Foi um baita show de Rock, independente de Rótulos , heavy metal, punk ou pós punk, comercial ou nâo, foi um show de atitude que antes de qualquer coisa é o que o Rock representa. Como hoje em dia não vejo nenhuma banda que possa lamber o chulé, creio que ainda teremos muitos shows sold out como esse da Plebe, mostrando que o Rock feito nos Anos 80 foi muito melhor do que a porcaria dos críticos musicais diziam na época.

Set List
1-O que se faz
2-Brasilia
3- Censura
4-Pressão Social
5- Discordia
6-Tudo que poderia ser
7- Este ano
8-Remota possibilidade
9-Medo
10- Minha Renda
11- Katarina
12- Bravo mundo novo
13- A ida
14 – E quanto a você
15 – Johnny vai a guerra outra vez
16 – Sexo e Carate
17- Dançando no Vazio
18- Proteção/Patria Amada/Geração coca cola
19- Luzes
20- Seu jogo

21- Ate quando esperar

 

 

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 1959 artigos para a Ilha do Metal.