Diablo Swing Orchestra @ Inferno Club – São Paulo/SP

Publicado em:

Direto ao ponto: o melhor show que assisti em 2012! Nada se compara ao fato de ter no Inferno [Club] a presença ilustre do Diablo [Swing Orchestra] em plena terça-feira pós expediente de trabalho!

Texto: Eduardo Escobar
Fotos cedidas por: Irisbel  Mello

O público, que lotou a casa de shows, foi contagiado pela presença e principalmente pela música do Diablo, fazendo muito headbanger cair na avalanche rítmica da banda que mistura Heavy Metal, Jazz, música latina, clássica, tango, entre outros no chamado Avant-garde Metal, que é no mínimo bastante interessante!

O show em São Paulo aconteceu apenas 7 dias após o lançamento do álbum  ““ , o que não foi fato impeditivo para que o público cantasse, pulasse e dançasse  (sim! o público Metal também dança!) durante todo o show. O palco ficou pequeno para Daniel Håkansson (guitarra/vocal), Pontus Mantefors (guitarra), Annlouice Loegdlund (vocal), Andy Johansson (baixo), Johannes Bergion (cello), Petter Karlsson (bateria), Martin Isaksson (trompete) e Daniel Hedin (trombone), não apenas por conta de suas dimensões, mas pela tamanha empolgação e energia transmitida de cima do palco!

Houve grandes momentos durante o show, de início as músicas “Guerrilla Laments”, com Annlouice Loegdlund cantando demais, e “Black Box Messiah” com Johannes Bergion e Daniel Hedin responsáveis por cantar comicamente o refrão em japonês.

Algumas vezes era possível se imaginar dentro de um filme psicodélico e escuro, onde a variação rítmica juntamente com os expressivos vocais fazia tudo girar e tomar diferentes formas repentinamente tamanha a capacidade e fluidez musical da Diablo Swing Orchestra.

“A Tap Dancer’s Dilemma” foi o grande momento, onde todos mostram a tônica da banda, e mesmo com os integrantes visivelmente deslumbrados com a doação do público, para a platéia era apenas uma  forma de agradecimento pela noite incrível em plena terça!

Na parte final do show (não teve bis), a banda executou o que pode ser considerada sua música mais conhecida, “Vodka Inferno” e fechou com a contagiante ”Balrog Boogie” ovacionados ao sair do palco.

Set-List:

1 – Guerrilla Laments
2 – A Rancid Romance
3 – How to Organize a Lynch Mob
4 – Black Box Messiah
5 – VooDoo Mon Amour
6 – Heroines

7 – Wedding March For A Bullet
8 – Bedlam Sticks
9 – Infralove

10 – Lucy Fears the Morning Star
11 – A Tap Dancer’s Dilemma
12 – Kevlar Sweethearts

13 – Poetic Pitbull Revolutions
14 – Ricerca Dell’Anima
15 – Vodka Inferno
16 – Balrog Boogie