365 @ SESC Belenzinho

Uma noite especial com convidados especiais, essa foi a idéia que o 365 teve  para celebrar os 25 anos do primeiro álbum, o lugar que teve como honra de receber o show foi o SESC Belenzinho conhecido por muitos sendo umas das melhores opções que temos hoje na cidade de São Paulo.

Este primeiro disco, colocou o 365 como uma das mais importantes bandas da época, principalmente aqui em São Paulo fazendo com que o verdadeiro hino da cidade não fosse aquela maldita Versão do Caetano Choroso, pois faziam um diferencial em relação as bandas de burgueses de Brasilia, que se diziam pós punks porém com família aristocrata da época , algo como Camisa do Che e Celular de ultima geração hoje em dia, e a banda 365 fazia um rock com mais um peso e agressividade isso 25 anos atras, o 365 hoje  é formado por Finho nos vocais, Ari Baltazar na guitarra, Miro de Melo na bateria e Luiz Cecilio no baixo, comemoraram a data com um show impar, e com convidados mais que especiais, Mingau (ex-365, ex-Inocentes e atualmente no Ultraje a Rigor), Mau (Garotos Podres) e Fabio Golfetti (Violeta de Outono).

Pontualmente as 21:30 a banda entra no palco e em questão de segundos o público completamente sold out já estava na mão da banda e a primeira canção chamada “Tempo” já colocou a zona leste paulistana para cantar, “A way of life” vem na sequencia também cantada em uníssono pela platéia, na pausa da terceira música o vocalista finho avisa que os dois primeiros discos seriam tocadas na integra, e apresenta o baixista Luiz Cecílio e avisa que o mais novo membro da banda foi apresentado a eles pelo saudoso Redson Pozzi, e que de alguma maneira Redson estava no palco com eles.

Não parecia um show, era praticamente uma festa de amigos, após a quarta música do concerto “Futuro”, é anunciado “Furia”porém a intro já mostrava que seria a música que marcou a minha geração e “São Paulo” é entoada a perfeição. (Detalhe é que no dia anterior, no mesmo lugar, a banda Inocentes também executou a música).

Na sequencia veio “Africa”e “Furia” e então os primeiro convidados são chamados ao Palco, Mau dos Garotos Podres e o ex-integrante Mingau, hoje no Ultraje a Rigor, sobe aos palcos para o primeiro registro da banda que saiu na coletânea “Não São Paulo 2”em 1986 e “Grandola Vila Morena” vem aos nossos ouvidos como um hino, Ver Mau dos Garotos Podres cantando na potência que conhecemos e marcou toda sua carreira foi realmente sensacional, é muito bom vê-lo totalmente recuperado do problema de saúde que enfrentou meses atrás.

Após “Canção para marchar” começou uma sequencia matadora de covers e a primeira foi um dos hinos da geração verdadeiramente rockeira dos anos 80, ninguém curtia refrigerante de cola,e sim “Johnny” era o hino da época, e esta foi quase que trincou o teto do SESC, sendo difícl não pensar  em entrar em uma roda, mas como a idade já é alta, permaneci fotografando mesmo, na sequencia Silvio Golfetti vem ao palco para “The House of Rising Sun” e o clássico do Violeta de Outono “Outono”

Finho lembra que a banda sempre quis ser como dos amigos presentes no palco, com a habilidade técnica e tom progressivo do Violeta de Outono e a fúria dos Garotos Podres mostrando assim que o Rock de São Paulo foi bem mais unido que o do resto do Brasil.

Na Sequencia começaram as canções do segundo album “Cenas de um Novo País” de 1990, com “Cegos movimentos” na sequencia com “Só Armas não Fazem a Revolução”, simplesmente nostálgico mas com muitas letras extremamente atuais e dando uma aula em muita banda que se rockeira ou punk, e não passa de punks de condominio, ou rockeiros de televisão, terminaram a primeira parte do show com uma trinca senaciona, ” A Festa” , ” Destino” e ” Cristo Anistiado”. O Bis veio com todos convidados ao palco novamente em uma versâo ” We are the World” para ” Grandola Vila Morena”

Simplesmente matador, monstros sagrados do Rock Brasileiro sem espaço na mídia, porém com uma multidão clamando por bandas que verdadeiramente fazem o  Rock ‘ n ‘ Roll no Brasil soar por esses longos anos. E o 365 é assim.

A apresentação foi um marco, deveria ter registrado para um futuro DVD, porém a própria banda gravou e colocou varias músicas no youtube na qual colocamos alguns aqui embaixo.

O que dizer de um setlist com 26 músicas, no setlist ainda continha mais uma vez São Paulo porém não foi executada, talvez o tempo limite da casa tenha se prolongado demais.

Set List

 

  1. O Tempo
  2. Way of Life
  3. Nunca mais seremos os mesmos
  4. Futuro
  5. São Paulo
  6. Africa
  7. Fúria
  8. Grandola Vila Morena
  9. Canção para Marchar
  10. Johnny
  11. House of the Rising Sun
  12. Paixão e Tempestade
  13. Outono
  14. Cegos Movimentos
  15. Só Armas não Fazem a Revolução
  16. Não diga Adeus
  17. 31 de março
  18. Anos 70
  19. Berço Esplêndido
  20. Não Dá
  21. Por Quanto Tempo
  22. Peter
  23. A Festa
  24. Destino
  25. Cristo Anistiado

Bis

26. Grandola Vila Morena

 

Way of Life

São Paulo

Johnny

Grandola Vila Morena

 

 

 

Tags: 365, SESC

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 2006 artigos para a Ilha do Metal.