Armored Dawn – Barbarians in Black

Armored Dawn – Barbarians in Black

Ano de lançamento:

2018

Gravadora:

AFM Records

Review:

O Armored Dawn acaba de divulgar seu novo CD, Beware the Dragon, via AFM Records.

O Sucessor do debut Power of warrior, o aguardado Barbarians in Black segue aquela perigosa linha dentro do Heavy Metal onde pode ser leve demais, para aqueles que gostam de um som mais extremo e pesado demais para quem curte um som mais voltado ao Hard Rock, porém o resultado final que encontramos nesse play superou todas as expectativas.

Por tudo que se diz sobre o Armored Dawn, e analisando o trabalho final e apresentado neste CD, claro que o “pré conceito” quando apertamos o play, o nariz está torcido, e o melhor disso, é quando o CD acaba, todas suas críticas pré estabelecidas foram pra privada, e faz você engolir qualquer comentário ruim que pensou sem se quer ter escutado o play.

A atual formação conta com Eduardo Parras, vocal, Timo Kaarkorski e Tiago de Moura nas guitarras, Gernando Giovannetti no baixo, Rafael Agostino nos teclados e Rodrigo Oliveira na bateria e essa vem sido a line up que percorre o mundo com as constante Tours da banda fora do país.

Beware of The Dragon – Uma bela introdução de teclados e bateria rapidamente se contrapões com o riff forte e pesado com um belíssimo trabalho de Tiago e Timo, e um refrão que impressiona pela qualidade, algo dignos das grandes bandas de Power Metal, e uma das melhores faixas do Disco. Belo pé na porta e abrir um CD.

Bloodstone – O peso da faixa anterior, ouvindo direto destoa um pouco aqui, sendo nesta faixa mais voltado ao Hard Rock dos anos 80, quase dançante até, com um coro muito bom feito pela banda no refrão, onde vemos um ótimo trabalho da banda, e embora a faixa seja muito boa, a linha de ora hard rock, ora fortes riffs de guitarra, deixou meio sem sabermos onde classificar a música.

Men of Odin – A linha de teclados do Armored Dawn, ganhou destaque nesse álbum com excelentes introduções e aqui temos mais uma delas, e em uma mais clássica e com um andamento mais “arrastado”, ganhou um tom perfeito na voz de Eduardo Parras, e a banda sobre ir de partes mais arrastadas, ora acelerando deixando a quebra de ritmos e bridges que a música possui, um espaço onde todos instrumentos estão em destaque e esse tipo de resultado final dificilmente é encontrado.

Chance to Live Again – Outra faixa, com excelentes quebra de ritmos, e onde deixamos claro, se essa composição fosse feito por qualquer banda gringa, seria considerada pesada e perfeita, e claro que vamos classificar da mesma maneira, a banda tecnicamente tem muito potencial e consegue, debulhar muito, Tiago e  Timo com solos perfeitos, não deixando nada a qualquer guitar hero de qualquer parte do mundo.

Unbreakable – Eu ouvindo o CD e faltava, aquele onde o baterista Rodrigo Oliveira, e nesta ele conseguiu, claro que sabemos o quanto ele toca, mas em “Unbreakable”, ele foi muito criativo, com viradas e espaçamentos digamos, assim, sou um amante de música, então os termos técnicos ficam pra lá, e Parras, cantando de uma maneira diferente, que ficou bem interessante.

Eyes Behind The Crow – Que faixa, pesada, cativante e com um refrão quase pegajoso ao extremo, uma perfeita composição, onde Parras foi o grande destaque, com uma voz um pouco mais “rasgada” , e claro Tiago de Moura que solou muito aqui. Uma das melhores faixas

Sail Away – O primeiro single , já divulgado a algum tempo, embora tenha um excelente refrão a faixa bem comercial comparada com o restante do álbum, e nem por isso perde o seu valor, mas quando ouvimos todo o álbum a levada é bem diferente de todo o restante.

Gods Of Metal – Qualquer faixa, que destaque o nome do ” Metal” a gente sempre presta um pouco mais de atenção, e nesta não foi diferente,

Survivor – Uma surpresa já no fim do CD, uma ótima faixa, talvez tão comercial quanto “Sail away”, porém mais hardona, com um riff forte, cruzão, que chama a atenção e com Rodrigo fazendo um diferencial na bateria, deixa ela um outro destaque, não pelo peso, mas pela harmonia,

Barbarians In Black – Ah a faixa título, deixada por último, bem Old School, e isso eu gosto muito, e por ser uma banda do estilo que o Armored Dawn se propões a fazer, ela tinha que ser Épica, como a faixa Viking Soul do primeiro álbum que é uma das grandes músicas do Metal Nacional, e embora não tenha o mesmo impacto a música encerra bem o CD.

Uma coisa que deve ser citada, o Tom de voz de Parras lembra muito a voz do cara do Sister of Mercy, e ele conseguiu em várias faixas sair desse tom e fez brilhante trabalho, principalmente em Unbreakable, Beware the Dragon,  Eyes Behind the Crow, Survivor e Tiago de Moura detonou como nunca,  sempre o admiramos com sua técnica, toca muito, e sobrou neste CD,  o que realmente senti falta, foi Fernado Giovannetti, que é um dos melhores baixistas do país e queria algo diferente vindo dele no CD, não sabendo exemplificar o quê, e vale lembrar o monstrinho Rodrigo Oliveira, perfeito.  Destaque do Cd, a musicalidade da banda que cresceu muito que conseguiu através do tecladista Rafael Agostino, incorporar bem o instrumento ao som da banda sem perder nenhuma característica musical.

Aos críticos da banda, chupem essa banda, o Armored Dawn, chegou, fincou sua espada e está levando a bandeira brasileira ao redor do mundo, coisa que sua banda, ou você do seu computador não consegue sair do seu bairro. O Respeito e Apoio a quem trabalha e divulga e faz o Metal no país merece ser aplaudido.

01. Beware of The Dragon
02. Bloodstone
03. Men of Odin
04. Chance to Live Again
05. Unbreakable
06. Eyes Behind The Crow
07. Sail Away
08. Gods Of Metal
09. Survivor
10. Barbarians In Black

 

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 2091 artigos para a Ilha do Metal.