Torture Squad: nota oficial da banda sobre a não participação no MOA

O Torture Squad, por meio de sua página no Facebook, publicou um comunicado oficial sobre a não participação no Metal Open Air. Veja:

O Torture é conhecido pela sua dedicação de anos à boa música. Espírito guerreiro e honestidade sempre foram marcas da banda.
Por isso nossas expectativas com este festival eram enormes, ainda mais por saber que o público há muito também ansiava por esse momento.

Quando surgiu o convite e o anúncio do festival, no dia 18 de novembro de 2011, foi dito inúmeras vezes que bandas estrangeiras e nacionais receberiam o mesmo tratamento e teriam o mesmo espaço.
Logo revelou-se a primeira de uma série montruosa de mentiras: a primeira propaganda de revista trazia os logotipos das gringas e os nomes das nacionais no rodapé. Artista nacional = segunda classe?

Naquele momento começamos a pressentir o pior que se confirmou na semana passada: Somente na tarde da quinta-feira, 19/04, nos informaram de que nossa ida a São Luís seria na mesma noite!
Ao chegarmos lá nos deparamos com várias notícias de cancelamento das bandas nacionais por falta de pagamento, por falta de confirmação de passagens e mais uma porção de problemas técnicos e logísticos, além de problemas com ECAD, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, Procon.
Foi chocante ver o desrespeito ao trabalho de centenas de pessoas; meses de preparação e ensaios, investimento em material e equipe. Mas o pior de tudo foi a falta de respeito e consideração ao público – motivo da existência do festival? – que foi maltratado e tripudiado como nunca havíamos visto.

A produção do evento sequer se comunicou conosco durante nossa estadia na cidade. Tivemos de conseguir “carona” no transporte das bandas que tocariam no primeiro dia, para podermos chegar ao local do evento e nos informar sobre o que ocorria.
Apesar de que praticamente nada do que foi acordado entre as bandas e os produtores estava sendo cumprido, no segundo dia havia entre nós um clima de união e um esforço gigantesco para que pudéssemos contornar a situação e fazer a coisa acontecer. Todos tentando dar o melhor de si, como o Korzus, por exemplo, que subiu ao palco e fez um dos shows mais emocionantes que já vimos na vida.
Mas, no último dia, ficamos sem ter o que fazer. Estávamos lá prontos e dispostos pra encontrar nossos fãs mas dentro deste quadro incrivelmente bizarro e frustrante.

Como quase todas as bandas nacionais, também não recebemos nosso cachê.
E, como se tudo isso não bastasse, nós, alguns outros artistas e nossas equipes técnicas quase fomos impossibilitados de voltar para casa pois, até então, ninguém “responsável” pelo MOA foi encontrado a tempo.

Enfim, infelizmente, abandono e descaso, mentiras e vergonha, marcaram este episódio da história do Metal no Brasil. Mas, se ergues da justiça a clava forte, verás que um filho teu não foge à luta, nem teme, quem te adora, a própria morte.
O que foi feito com as bandas e sobretudo com o público não tem desculpa.
Gente arrogante e prepotente precisa aprender que há muita coisa mais importante do que seus próprios umbigos.
Exijamos punição exemplar a esses cafajestes que só pensam na grana.
Alguns músicos, como nós, estamos nessa pela arte e sabemos que o público também.
Todos merecem respeito, antes de mais nada, como seres humanos.

Nos vemos na estrada!
The Torture never stops!

Amilcar Christófaro, Castor, André Evaristo.”

Fonte: http://www.facebook.com/torturesquad/posts/296994050380641