Suprema em Natal

Esta notícia é antiga e foi publicada à 8 anos atrás.

Você pode encontrar novas notícias através do arquivo de notícias da Ilha do Metal

 Em 2008 os paulistanos do SUPREMA fizerem uma bem sucedida turnê pelo Nordeste onde, infelizmente, o público natalense não teve a oportunidade de assisti-los. Mas logo após ser anunciada uma nova tour pelo Nordeste em 2010, foi confirmada a data para esse tão esperado encontro: 26 de Fevereiro.
Em um evento organizado pela Hate Productions, Dio Records e pelo Centro Cultural DoSol, o local escolhido foi o próprio Centro Cultural (um dos poucos locais que disponibilizam seus espaços para eventos de Rock/Metal pesado em Natal) com participação das bandas natalenses BLACKHALLS, HARDALLIANCE e BLOOD DRAGON (apesar de divulgada, a GANDHI não participou).


Quem iniciou o evento, com um pequeno atraso e com um tímido público, foi a BLACKHALLS. A banda (formada em 2004) faz um Hard/Classic Rock de qualidade calcado em nomes como Wishbone Ash, Motörhead, Thin Lizzy e Grand Funk Railroad. Entre excelentes músicas próprias e covers como “Carry On Wayward Son” (Kansas) e “Burn” (Deep Purple), a impressão foi que a maioria das versões são mal aproveitadas, já que não combinam com a voz de Nelson Castelo. Porém ele provou que canta muito bem, além de ser muito engraçado e carismático.

Após alguns minutos, entra no palco a HARDALLIANCE para divulgar seu primeiro e novíssimo álbum “Passion & Beer”, através de sons próprios como “We Live Rock’n’Roll” (maravilhosa), “Hard Rock For Tonight” e a faixa título de seu álbum, além de alguns clássicos como “Highway Star” (Deep Purple), “Daddy, Brother, Lover, Little Boy” (Mr. Big – com Geisler Guilherme e Raphael Teta arrebentando em seus devidos instrumentos) e algumas versões do Europe (“Rock The Night”, “Cherokee” e “Final Countdown”). Seus membros provaram que musicalmente estão afiadíssimos (com Geisler Guilherme quebrando tudo na guitarra), mas que ainda precisam amadurecer alguns pequenos detalhes como presença de palco e o contato com o público. Aliás, nem todos, já que seu baixista Raphael Teta é um verdadeiro showman e consegue agitar o público através de suas peripécias no palco!

Em seguida foi a vez da BLOOD DRAGON arregaçar tudo com “Slave To The Grind” (Skid Row) e a própria “We Are Free”. A banda está em constante evolução devido aos inúmeros shows que vêm fazendo desde 2009. Mário Rodrino é um vocal único, principalmente quando falamos sobre sua presença de palco. O show contou com a participação de Rod Wolf (Epyllion, Revoc, The Seven Angels) dividindo os vocais com Mário na belíssima “Long Live Rock’n’Roll” (Rainbow).

Após alguns ajustes começa o show da atração principal do evento: SUPREMA. Foi explicado pela banda durante o show que, devido a um problema interno, eles precisaram contratar um baixista a poucos dias do evento (Cleison Johann da banda Power/Prog Caravellus), e que por isso apresentariam um setlist especial. E tomem Iron Maiden nas cabeças! Clássicos da donzela como “Two Minutes To Midnight”, “Flight Of Ícarus”, “The Number Of The Beast” (com a introdução original) e “Run To The Hills” levantaram o pequeno público que ainda estava presente. A banda saiu-se muito bem nesse tributo inicial: Pedro Nascimento (dono de um vocal muito peculiar) cantou todas as linhas originais de forma competente, Douglas Jean mostrou-se um exímio guitarrista (além de fazer ótimos backings), o convidado Cleison Johann segurou todas as pontas tranquilamente e o enorme Helmut Quacken é um monstro com as baquetas (quem conhece seu trabalho com o Glory Opera sabe do que estou falando). Para encerrar sua apresentação a banda apresentou as próprias “Escape”, “Fury And Rage” (novíssima) e “Powermind”. Após explicar alguns dos problemas que tiveram para chegar a Natal (como perder o avião em Recife e fazer a viagem de ônibus), a banda prometeu retornar ainda esse ano para divulgar seu novo álbum que está prestes a ser lançado. O público, sedento por músicas próprias, agradeceu e prometeu aguardar. Vamos ver o que esses paulistas ainda são capazes de criar após o belíssimo EP “Spyeyes”.
Parabéns a organização que, mesmo com o público não comparecendo em sua totalidade, continua acreditando e trazendo a Natal alguns dos grandes talentos que temos na música pesada brasileira. E que venham muitos mais!

Review enviado por Mike Oliva