Jorge Salan: memórias de uma tour com Jeff Scott Soto

Esta notícia é antiga e foi publicada à 6 anos atrás.

Você pode encontrar novas notícias através do arquivo de notícias da Ilha do Metal

Jorge Salan, guitarrista espanhol de extrema qualidade que fez parte da banda espanhola Mago de Oz e que atualmente integra a banda solo de Jeff Scott Soto (juntamente como também espanhol Fernando Mainer no baixo e os brasileiros BJ, na guitarra teclado e voz, e o grande batera Eduardo Cominatona) publicou nos Sites espanhois Mariskar e Rafabasa sua visão de como foi a turnê em julho com a banda do Jeff Scott Soto ou JSS como queiram.

Segue uma breve tradução livre do relato do Guitarrista

Jorge saiu em turnê com Jeff Scott Soto e escreveu de próprio punho como foi a experiência dia a dia, cidade a cidade, depois de cada piada … Um passeio interessante escrito pelo guitarrista Madrilenho, chamado MEMÓRIAS DE UM TOUR COM JEFF SCOTT SOTO.

Eu não falo nem mais nem menos do grande Jeff Scott Soto. Já se passaram dois anos, eu estou na sua banda desde o verão passado e há muito não tocamos juntos, então eu estava animado para fazer esta mini tour européia de cinco shows, terminando no festival alemão “Bang Your Head!” onde nós dividiriamos o palco com muitos grupos, incluindo o Helloween e Slayer. Na quinta-feira 07 de julho pousou às 17:30 no aeroporto de Barajas, BJ e Edu Cominato (o primeiro, um dos guitarristas e tecladista ocasional, e o segundo, um machado das baquetas). Havia o baixista Fernando Mainer e o esperava com os nossos colegas com grande entusiasmo. Uma hora mais tarde, Jeff entrou e fomos passar uma boa noite juntos, no bairro de La Latina, Gran Via e Tribunal (sofrendo depois no dia seguinte em seus próprios efeitos colaterais, com carne ,Caipiroska e Mojitos, portanto imaginam o que pode resultar).

Na sexta-feira 09 de julho fomos em um estúdio, às três da tarde para fazer um ensaio bem longo. Nós tínhamos que recordar alguns das canções que já sabíamos e tentar alguns novos que havíamos incluído em seu novo set list. Poucas horas de sono e às 5 da manhã, ir para a Holanda, especificamente a cidade de Kerkrade. Todos os nervos a flor da pele para sair bem em nosso primeiro show em um salão que pendurou o aviso de “SOLD OUT”. Grande concerto, o primeiro em um ano sem tocar juntos. Curiosamente, este concerto foi gravado no teclado uma batida inesperada para terminar a música “Drowning”  e nós não sabíamos o que estava acontecendo e Fernando começou a tocar a linha de baixo de “Billie Jean” de Michael Jackson, que levantou um sorriso respeitável.

No dia seguinte, sábado 10 de julho, viajamos de van até a cidade de Osnabruck, na Alemanha, uma longa viagem, cerca de 3 horas. Tivemos tempo para dormir e se recuperar de toda a fadiga do dia anterior que se juntou em poucas horas de sono, uma longa jornada.  Haviam um público menor neste concerto, pois não era uma cidade grande, mas um público muito dedicado a apreciar JEFF SCOTT SOTO. Não havia material “Funky” e foi muitas vezes posta à final do show. Músicas do WET  como “One Love” e “Brothers in Arms”, do Axel Rudi Pell foram temas como “Warrior” e “Fool Fool” sem esquecer das canções da trilha sonora de Rock Star, e de musicas de seus álbuns solo, “On your own”, “Eyes of Love” ou “soul Divine”, e a grande medley Talisman em homenagem ao seu amigo Marcel Jacob. Uma vez que este concerto até ao fim da turnê conosco o engenheiro de som incrível e amigo de Jeff, Peter de Wint ( Wasp, Twisted Sister e Glenn Hughes …) que fez o som da banda como um tiro em cada um dos shows! Peter, grande cara, e eu posso dizer que aprendi muito com ele.

Mantivemo-nos falando sobre essas conversas longas de técnicos de som que conhecem toda a teoria, mas esqueça de intuição, o coração e ouça tudo o que fazem. O que é um grande profissional, ele trouxe a seus próprios microfones, cabos e significância musical para cada um dos instrumentos, e disse-me para fazer a guitarra soar muito mais simples. Sempre fazia isso com J.J. Marsh Glenn Hughes.

Segunda-feira e terça-feira, 11 e 12, foram dias de folga ficamos em um hotel no meio da montanha, perto da cidade alemã de Aschanffenburg. Tudo tranquilo, passeios deslumbrantes em morros, alguns mergullhos na piscina e passeios turísticos. Uma área muito agradável para visitar. Chegando na quarta-feira 13 de julho nos dirigimos, depois de comer em um restaurante cubano, para fazer o som para o CoLOS grande sala SAAL. Lugar muito bom, grande concerto e platéia animada. Poucos dias depois de tocar no mesmo lugar que Thin Lizzy e Anvil. No dia seguinte, esperamos uma carona de seis horas de duração para a cidade de Pratteln na Suíça. Foi o primeiro show de JSS sozinho neste país e a recepção foi muito boa! Ao longo da turnê fizemos uma medley para lembrar os grandes artistas que faleceram nos últimos dois anos, e tocamos trechos de “Still Got the Blues”, de Gary Moore, “Mean Strike” do Y & T, “Holy Diver” do Dio ” Beat it “de Michael Jackson e quando nós tocamos ” Anytime Anywhere” do Gotthard a plateia foi à loucura. Ficaram animado para se lembrar de Steve Lee, realmente um momento de emoção. Depois do concerto, autógrafos e fotos com muitos dos participantes que nos felicitaram após o show.

Você pode ver muitas fotos deste concerto: www.concerts-live.ch/2011/jeffscottsoto/index.html

Na sexta-feira, 15 de julho dia de folga. Nós acordamos cedo para chegar em tempo no festival Bang Your Head, em Balingen.Chegou o dia mais importante da turnê, o dia do festival. Duasda tarde e todos na van. Uma vez no camarim começamos a mergulhar na atmosfera de bandas, nervos, stress e rock. Fomos comer e ficamos com Andy Deris e Michael Weikath, entre muitos outros rostos conhecidos, como o produtor o Chris Tsangarides do Thin Lizzy. Jeff apresentou-nos ao pessoal do Quiet Riot, e alguns deles falavam espanhol perfeito. O Produtor dizia-nos que tínhamos uma parada para fazer fotos com fãs que queriam ser fotografados com o Jeff e o resto da banda. Depois de meia hora voltamos ao backstage para troca de roupa e deixar tudo pronto para o show as cinco horas. Essa experiência foi muito boa, sair e ver uma grande multidão de pessoas que estavam esperando pelo desempenho do Sr. Soto! Começamos com o “21 Century” e de lá foi todo um público que gostava de todas as músicas no set. Algumas das mais cantadas foram “Warrior” do Axel Rudi Pell e “I` ll be waiting ” Talisman. Depois do show eu assisti algumas das músicas do Helloween e Slayer que estavam muito bem. É sempre uma honra tocar com alguém tão grande como JSS, a experiência em shows e sempre ser um músico melhor e profissional. Certamente seria injusto não mencionar o nome da banda que abriu todos os shows da turnê, o Metalety, alemães, grande banda e pessoas boas. Boa sorte para eles. Graças a Jeff, toda a banda, BJ, Edu, Fernando, o tour manager Peter Frank, Que turnê tão inesquecível!  … by Jorge Salan

Nota do Bullino: As fotos que ilustram esse post são fotos das turnês que essa line up fez no Brasil nos ultimos dois anos, as fotos de 2009 são do show de Ourinhos/SP e em 2010 no Carioca Club em São Paulo.

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 1957 artigos para a Ilha do Metal.