Faster Pussycat: Entrevista Exclusiva com a banda a caminho do Brasil

Esta notícia é antiga e foi publicada à 6 anos atrás.

Você pode encontrar novas notícias através do arquivo de notícias da Ilha do Metal

A banda Norte Americana Faster Pussycat se apresentará pela primeira vez no Brasil no dia 26 de agosto na tradicional festa Glan Nation que ocorre no Inferno Club em São Paulo.

Formado em meados dos anos 80, o Faster Pussycat ganhou reconhecimento no disco de estréia, onde emplacou hits em sua carreira  como “No Room for Emotion“, “Cathouse“, “Don’t Change That Song“, “Bathroom Wall“, “House of Pain” e uma versão do clássico de Carly SimonYour So Vain“.

Atualmente a banda é formada por Taime Downe (vocais), Michael Thomas (guitarra), Xristian Simon (guitarra), Danny Nordahl (baixo) e Chad Stewart (bateria).

A Assessoria de imprensa New Gigs nos deu a oportunidade da entrevista e confiram abaixo com Taime Downe e Chad Stewart.

1- Nós conhecemos o Faster Pussycatdesde os dias de glória do Hard Rock, 1987/88, e a banda sempre se manteve fiel e sempre é lembrada como uma das melhores. Depois de quase 25 anos, você vê que ainda é a mesma coisa desde que a banda começou? E o que mudou para você?

Taime Downe: Para mim, tudo mudou… Porque eu mudei, eu já não sou mais o mesmo garoto dos anos 80, agora eu sou apenas um velho bastardo! Mas é tudo crescimento, eu cresci e minha música cresceu comigo, evoluiu comigo. Mas de toda forma sempre mantivemos nossas raízes.

Chad Stewart: Bem, eu ainda estava no ginásio quando o Faster apareceu, mas eles sempre me pareceram misteriosos, perigosos e sexies. E era isso que eu mais amava na banda. É algo do qual eu sou extremamente orgulhoso, pois foi mantido esse espírito de perigo vivo e é isso que mantém o grandioso Rock.

2- Como foi fazer parte da cena Glan em  Los Angeles nos anos 80? Foi realmente insano como nos pareceu, tudo era sexo, drogas e rock’n’roll?

Taime Downe: Era realmente maluco, muito divertido. Mas muita coisa sobre essa época eu não consigo me lembrar, o que é muito bom! Acho que não seria bom eu me lembrar de tudo.

Chad Stewart: Ainda é assim! Insano!

3- O último álbum músicas inéditas é de 2006. Tem planos para um novo CD ou DVD?

Taime Downe: Temos trabalhado em um material novo desde que lançamos o álbum ao vivo, em 2009, mas o que acontece é que sempre que pegamos para desenvolver algo, saímos em turnê. Talvez quando voltarmos da América do Sul terminaremos. O lançamento deve ser para janeiro de 2012.

Chad Stewart: As idéias principais desse álbum já têm sido trabalhadas por um ano. E um DVD também está a caminho, Vai ser a combinação desta e da última turnê que fizemos.

4- Você conhece alguma música do brasil ou bandas brasileiras?

Taime Downe: Realmente não conheço, pois nunca estive no Brasil! Estou ansioso.

Chad Stewart: Eu também não conheço, mas sendo baterista, eu amo ritmos. E a música brasileira tem uma batida muito sexy. Música para sacudir.

5- O que vocês tem ouvido nesses dias?

Taime Downe: Tenho voltado a escutar muita coisa que cresci ouvindo, como AC/DC. Eu gosto muito de Turbonegro também, apesar da separação. Ah, e eu adoro a Pink!

Chad Stewart: Eu estou amando Foo Fighters, então vou citar  “Wasted Light”, além de The Twilight Singers,  tudo do Queen, tudo do Prince, e uma banda da Argentina chamada Denots!!!  Eu inclusive escrevi uma música para o novo álbum deles, é demais!

6- Esta será a primeira vez do Faster Pussycat no Brasil. Será uma noite especial? Sobre o set list, estão planejando alguma coisa diferente da última turnê dos Estados Unidos?

Taime Downe: Será uma noite especial! Talvez não mudemos muito o set list, pois nós tocamos muita coisa da qual gostamos e pretendemos fazer para vocês tudo que for de mais Rock. Mas umas surpresas sempre podem aparecer.

Chad Stewart: É muito empolgante poder tocar aí! Tentaremos garantir uma boa combinação de hits, e claro, surpresas sim, por que não? Mal posso esperar.

—————–

Agradecemos a Angelica Kernchen da New Gigs pela Oportunidade.

Comentários:

Sobre o autor:

Marcos Cesar de Almeida:
"Metaleiro das antigas" ou Tiozinho dos shows, Torcedor do Monte Azul, ouço todas as vertentes do Metal, Hard, folk, death, THrash, tendo distorção e bem feito tá valendo. Twiter : @BULLINO

já escreveu 2028 artigos para a Ilha do Metal.