King Diamond: “Não consigo entender porque alguém mataria outra pessoa só por ter religiões diferentes”

“Alô é o King Diamond?”,”Sim é o King Diamond” com essa frase que honestamente jamais pensei que aconteceria na vida se iniciou a entrevista com o personagem principal do show mais esperado por anos no Brasil.

O Liberation Festival, tem em sua line up, o Test, Carcass, Heaven Shall Burn, Lamb of God e claro o headliner King Diamond, e entre as muitas entrevistas que ele c oncedeu ao Brasil, o site A Ilha do Metal fez a entrevista onde agora divulgamos aos fãs e nossos leitores, senhores e senhores

Com vocês o único e absoluto KING DIAMOND.

Tradução: Samantha Martins

A Ilha do Metal – ) Seja bem vindo ao Brasil, e ao nosso Site A Ilha do Metal e dentro de algumas semanas no Liberation Festival.

King Diamond – ) Será incrível…

A Ilha do Metal – ) Eu não sei se você sabe, desde que voltou a tocar 5 anos atrás, em todas as pesquisas de opinião de qual artista deveria vir para determinado evento, nos últimos cinco anos você venceu praticamente todas e esse sonho virará realidade em junho no Liberation Fest. Você sabia disso e como se sente por isso?

King Diamond- ) Uau, é uma honra!! Tá brincando, é maravilhoso! É uma honra! Posso adiantar que o show será sensacional. Da última vez que tocamos no Brasil, em 1996, o show foi ok, mas não trouxemos o show completo. Mas desta vez, nós temos a maior produção de toda a carreira do King Diamond, e vamos levar tudo para o Brasil, o show completo.

King Diamond- )E agora, em 2017, estamos trabalhando no nosso DVD Blue-ray, que deve sair ainda este ano. Trata-se de um show completo da Abigail Tour, gravado nos EUA de outubro a dezembro de 2015, e gravado em festivais europeus, como o Graspop e o Hellfest, em 2016. E quando nós finalizarmos esta etapa, vamos começar a escrever e gravar o próximo álbum de estúdio do King Diamond. Neste meio tempo, nós faremos alguns poucos shows, e eu sugeri para o resto da banda de tocarmos em lugares que não tocamos por muito tempo, desta vez trazendo a produção completa do show. Começaremos com a cidade do México, no dia 06 de maio. Ensaiaremos, tocaremos lá, e voltamos para casa, para as gravações do próximo álbum. Depois, vamos tocar no Brasil, e voltar novamente para o estúdio, para continuar com a composição e gravação do álbum. E depois vamos para Las Vegas, para o nosso único show nos EUA este ano. Há mais um lugar que estamos tentando confirmar um show este ano, ainda não sabemos, depende da agência e promotores Então, faremos apenas estas poucas apresentações, que na verdade serão os poucos shows do 35° aniversário… ou 30°?

A Ilha do Metal – ) Sim, sim, 30° aniversário….

King Diamond- )Claro, 30 anos! Eu estava agora mesmo conversando com os advogados sobre todos os tipos de coisas relacionados a completar 35 anos de carreira (risos). Claro, é o 30° aniversário do Abigail. Então, o Brasil será palco de um dos poucos shows de aniversário que faremos.

A Ilha do Metal – ) Agora falando deste disco em particular Abgail, 30 anos depois, vocês naquela época quando estavam compondo e gravando o disco tinha a noção de que estavam registrando um dos maiores clássicos do Heavy Metal?

King Diamond- )Naquela época, estávamos correndo um grande risco, porque Abigail resultou no primeiro… quer dizer, eu sei que outras bandas lançaram álbuns conceituais antes, mas Abigail foi um álbum conceitual com uma história de terror, e um estilo de música muito especial, extremamente complexo, que combinou uma série de instrumentos, como órgãos, violoncelos, e outros, que se encaixaram perfeitamente no humor da história. Com certeza foi o primeiro deste estilo, e causou um impacto bastante forte nas pessoas quando o ouviram pela primeira vez. Eu sempre quis fazer um álbum com uma história conceitual, desde a época com o Mercyful Fate, mas não se encaixava muito bem no tipo de música do Mercyful Fate, que foi feita para duas guitarras, baixo, bateria e os vocais. Já o King Diamond é bem mais teatral, por usar todos os tipos de instrumentos e diferentes timbres e tons de voz. E nós tentamos dar o melhor para ilustrar bem as personagens da história, o que a tornou ainda mais teatral. Antes, eu já tinha conseguido unir 4 ou 5 cenas juntas para formar uma mini-história. Mas com o Abigail, eu senti que tinha chegado lá, era a hora de montar uma história completa. Poderia falhar, teria sido uma pena, mas eu tinha que tentar. E valeu a pena! E tem sido muito agradável montar vários álbuns conceituais. Pra mim é um desafio, porque eu não tenho o mesmo espaço que eu teria se fosse um livro, mas é possível, e para mim é um desafio maior do que se eu escrevesse letras independentes.

A Ilha do Metal – ) Você acha que Abigail poderia se transformar em um filme, já que além deste tem outro Discos conceituais, já recebeu algum convite?

King Diamond- ) Sim, poderia ser um filme. Várias de nossas histórias poderiam ser um filme, como “Conspiracy”, “The Puppet Master”, algumas de nossas histórias poderiam facilmente ser transformadas em filmes. Algumas pessoas nos procuraram, mas não eram grandes empresas, e eu não quero transformar nossas histórias em filmes “lado B”, tem que ser um filme grande ou não vale a pena. Não quero que alguém use nossas histórias para produzir um filme de baixo orçamento, tem que ser uma agência grande. Mas quem sabe no futuro, posso escrever um álbum compilando várias histórias, e a partir dele sair um filme, quem sabe…

A Ilha do Metal – ) Andy LaRocque eu imagino ser um irmão pra você que estão juntos por mais de 30 anos, então o que diria sobre ele para nós que nunca disse a ele?

King Diamond- ) Tem sido incrível, é muito fácil trabalhar com ele, temos uma mente doentia similar. Trabalhamos bem juntos, gostamos do mesmo tipo de música, trabalhamos duro, usamos o tempo necessário para deixar as coisas bem feitas. Em geral, e usando poucas palavras, ele é um ser humano incrível por quem eu tenho o maior respeito, e também um músico incrível por quem eu tenho o maior respeito. Musicalmente também temos uma ótima conexão, quando ele está tocando a guitarra. Tem sido muito fácil, trabalhamos super bem juntos.

A Ilha do Metal – ) A próxima não seria uma pergunta pessoal, pois mescla sua saúde e o palco, quanto estava cuidando da sua saúde você se imaginava retornando aos palcos? O que pensava?

King Diamond- ) Pra ser honesto, durante e logo após tudo ter acontecido, eu não pensei nisso. Mas então, os fãs começaram a mandar seus votos para que eu me recuperasse, e aí eu comecei a pensar cada vez mais sobre isso. Mas até então, eu só me concentrava em sobreviver, porque na verdade eu não deveria estar aqui, eu não estive por um momento, mas eu voltei. Então era uma questão de sobrevivência, dar um jeito de melhorar, era tudo o que importava para minha esposa e para mim, que passamos por tudo isso juntos. E eu melhorei muito, e um ano após a operação, pude subir no palco com o Metallica no show de aniversário deles em São Francisco. Eu nem sabia se seria capaz de cantar, eu não havia tentado desde que tudo aconteceu até então.

King Diamond- ) Claro que muita coisa mudou, eu parei de fumar, nunca mais dei sequer uma tragada desde então. E minha esposa também parou, começamos a comer de maneira bem saudável, começamos a caminhar bastante também, geralmente 5 vezes por semanas, 20 km. Foi exatamente o que o médico me recomendou para eu cuidar bem do meu coração. E hoje meu coração está muito forte! Na verdade, muitas coisas melhoraram depois da doença, inclusive minha voz. Nunca foi tão fácil cantar as velhas músicas. O que é ótimo, porque para a maioria dos vocalistas, eles tendem a perder a capacidade de atingir as notas mais agudas conforme a idade chega, e tendem a diminuir o tom para poder cantar. Comigo isso não aconteceu, pelo contrário, nunca me senti tão confortável em cantar as músicas do Abigail. É incrível como algo tão bom, que eu jamais imaginava, resultou de um episódio tão ruim e negativo que aconteceu na minha vida, e hoje eu sou capaz de continuar fazendo o que amo.

A Ilha do Metal – ) É um prazer ouvir isso de sua saúde e voz, e quando ouvia você quando comecei vir você nos anos 80 sem internet achava que eram dois vocalistas

King Diamond- ) hahahaha que legal…

A Ilha do Metal – ) Eu já li isso de você em outras entrevistas,sobre religião , e você é contra todas, pois não acredita que uma pode ser boa matando pessoas de outras religões em nome de Deus. E você é referência por suas letras, o começo corpse paint, e agora que pessoas matam mais, com essa propagação de ódio e guerra pelo mundo.

King Diamond- ) Eu continuo sustentando a mesma opinião de sempre. Eu que de modo geral, as pessoas tem pouco respeito umas pelas outras. Sua religião, aquilo que você acredita, não deveria importar, todos deveriam ser aliados. Não consigo entender porque alguém mataria outra pessoa só por ter religiões diferentes, não faz sentido. Ninguém neste mundo pode provar que acredita no Deus certo. Se alguém pudesse provar isso, nós todos acreditaríamos no mesmo Deus. Mas não há provas, e é por isso que existem tantas religiões diferentes. Se as pessoas conseguissem perceber isso, que não há provas, talvez tivessem mais respeito entre si. É importante lembrar o significado da palavra ACREDITAR, que significa ACHAR que poderia ser deste jeito. Você não usa a palavra “verdade”, porque nós não sabemos se é a verdade. As pessoas não sabem para onde vão depois que morrem. Eu não sei qual é a verdade, se deuseus não existem, se só existe um Deus, se existem vários deuses. Não tenho a menor ideia, o “The House of God” fala sobre isso. Seria ótimo se existisse um Deus que aparecesse e falasse com todos nós, assim as pessoas parariam de lutar pelos deuses que consideram verdadeiros. Pra mim não faz sentido, eu queria que as pessoas se respeitassem mais. Eu, particularmente, não sigo nenhuma religião. Algumas pessoas dizem “Oh, mas você é satanista…” . Não é uma religião! Eu apenas vivo minha vida do jeito que a vida é. O tipo de vida que você pode encontrar e descrever na Bíblia Satânica de Anton Szandor LaVey. Esta é a filosofia que vida que eu ainda tenho. Quando eu viajo em turnê, carrego comigo uma carta que ele escreveu de próprio punho, eu ainda tenho uma conexão muito forte com estas coisas. Já encontrei muitas vezes com a filha dele, Karla LaVey. Em dezembro de 2015, durante uma turnê nos EUA, nos encontramos em São Francisco, e saímos para jantar depois do show, era 02 ou 03 h da manhã, e ela me levou para o restaurante favorito dele. Foi uma experiência incrível. Então pra mim tudo isso é muito real, é um estilo de vida mais do que uma religião. Mas eu certamente sou espiritual. Eu acredito em certas coisas, mas não como em uma religião. Eu acredito que vou encontrar meus pais novamente quando eu morrer. Mas não sei como, eu apenas acho que vou reconhecê-los em alguma forma ou silhueta. E tem outras coisas nas quais eu acredito, mas não como uma religião. Não existe nenhum livro ou Bíblia que eu conseguiria viveria para. E tudo bem. Também está tudo bem se outras pessoas vivem desta maneira, elas não deveriam mudar, eu tenho amigos com diferentes crenças. Mas isso não é importante, o que realmente importa é o seu caráter como pessoa. Se é uma má pessoa, mande pro inferno, quem quer estar próximo de uma pessoa assim? Mas se é uma boa pessoa, vocês podem ser amigos, não importa se acreditam em coisas diferentes. É isso que eu não consigo entender, e sempre foi assim. Se voltarmos ao passado, desde que existe o ser humano, existe este comportamento estranho.

A Ilha do Metal – )Perfeito, eu penso do mesmo jeito, agora mais light, para mais leve você gravou e foi homenageado no desenho MEtacallopse

King Diamond- ) Foi legal, eu retratei algumas vozes, foi uma experiência absolutamente divertida, e eu acho que eles são ótimas pessoas. É uma série divertida, não?

A Ilha do Metal – ) Sei que nosso tempo, muito honrado e agradecido plea entrevista que sei que tem outras e por favor manda uma mensagem aos seus fãs que estarão no Liberation Fest em São Paulo?

King Diamond- )Isto é para os fãs brasileiros. Aqui é o King Diamond. Estamos indo pra São Paulo, e vamos tocar no dia 25 de junho. Seremos os headliners e traremos toda a nossa produção, o mesmo show que tocamos em nos EUA em 2015 e na Europa em 2016. É a produção completa do King Diamond, o show completo. Vocês terão tudo, e eu posso garantir que vocês jamais esquecerão. Vocês não podem perder! Não vejo a hora de estar com vocês novamente. Vocês são incríveis, os melhores fãs que nós temos. E até lá, “stay heavy”, isso é o mais importante.

 

Para os que gostariam de escutar a entrevista o Aúdio se encontra abaixo

English Speakers you can listen to the interview bellow

SERVIÇO SÃO PAULO
Liberation Tour Booking orgulhosamente apresenta LIBERATION FESTIVAL 2017
Bandas: KING DIAMOND, LAMB OF GOD, CARCASS, HEAVEN SHALL BURN
Data: domingo, 25 de junho de 2017
Local: Espaço das Américas
End: Rua Tagipuru, 795 (ao lado do Metrô Palmeiras – Barra Funda)
Abertura da casa: 16h
Informações gerais: info@liberationmc.com
Imprensa: press@theultimatemusic.com | 11 964.197.206
Censura: 16 anos (desacompanhados). Menores dessa idade somente acompanhados dos pais ou responsáveis.
Estacionamento: locais próximos ao Espaço das Américas
Estrutura: ar-condicionado, acesso para deficientes, área para fumantes e enfermaria
Evento Fb: https://www.facebook.com/events/1806648852919135

SETORES/VALORES:
– Pista: R$ 300,00 (inteira) | R$ 150,00 (meia-entrada)
– Pista Premium: R$ 500,00 (inteira) | R$ 250,00 (meia-entrada)
– Mezanino: R$ 500,00 (inteira) | R$ 250,00 (meia-entrada)

Informações e compra de ingressos (ponto de venda sem taxa de conveniência):
# Bilheteria do Espaço das Américas: Rua Tugipuru, 795
Segunda a sábado das 10h às 19h | Forma de pagamento: somente em dinheiro

# COMPRA POR TELEFONE – Ticket360: (11) 2027.0777
# COMPRA PELA INTERNEThttps://www.ticket360.com.br/evento/6568/liberation-festival-2017-com-king-diamond
Formas de Pagamento: dinheiro, cartões de crédito e débito Visa, MasterCard, American Express e Dinners Club

* Para a compra de ingressos para estudantes, aposentados e professores estaduais, os mesmos devem comparecer pessoalmente portando documento na bilheteria respectiva ao show ou nos pontos de venda. Esclarecemos que a venda de meia-entrada é direta, pessoal e intransferível e está condicionada ao comparecimento do titular da carteira estudantil no ato da compra e no dia do espetáculo, munido de documento que comprove condição prevista em lei;
** A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais;
*** É expressamente proibida a entrada com câmeras fotográficas e filmadoras profissionais ou semi-profissionais.